Tudo sobre moagem de malte e brinde comemorativo 1000 views

Boa noite Cervejeiros!

É com grande alegria que anuncio que o blog MALTE NO CANECO atingiu hoje, aproximadamente às 11h30min a marca de 1.000 visualizações. Continuem lendo até o final, pois tenho uma surpresa para vocês! Um brinde para os 5 cervejeiros que quiserem aproveitar uma oportunidade!

1000Views

Vejam as estatísticas do site por país e também o Widget do blog que disponibiliza a quantidade de views para os usuáriosEstatistica1000views

O blog foi inaugurado no dia 16 de janeiro, sendo assim, apenas 27 dias se passaram até o alcance desta primeira meta! Por isso venho agradecer a todos que tem acompanhado este trabalho que venho realizando com muito gosto e dedicação! Agora continuarei trabalhando duro para trazer o melhor conteúdo possível a vocês, tendo como próxima meta atingir 5.000 visualizações!

Vamos ao assunto do tópico: Moagem de maltes!

Antes de falar sobre os dois equipamentos mais comumente utilizados no processo por cervejeiros caseiros, quero falar um pouco sobre o porquê que precisamos moer o malte e quais as influências da boa e da má moagem.

O principal objetivo da moagem é expor o núcleo dos grãos do malte para que, em contato com a água durante a mostura, esta consiga extrair os amidos e as enzimas necessárias para a produção do mosto. Quanto mais fina a moagem, mais o amido fica disponível para uso. O problema é que, devido ao processo utilizado pelos cervejeiros, há interesse de que a casca do grão fique o mais intacto possível para que sirva de filtro na hora de passar da panela de mostura para a panela de fervura. Sendo assim, existe um tamanho ótimo para a moagem que exponha o núcleo do grão sem perder a função de filtro para não entupir o sistema. Na foto abaixo à esquerda é possível ver uma moagem boa (esquerda da moeda) e ruim (direita da moeda) Coloquei a moeda para referência de tamanho. Veja nas fotos a direita (zoom da foto completa) que no montinho da esquerda, o grão foi quebrado ao meio, expondo seu núcleo e, ao mesmo tempo, estando com sua casca e sua estrutura intacta podendo assim servir de filtro. No montinho da direita, porém, o grão e a casca estão esfarelados e/ou com pedaços menores.

Neste ponto repito uma dica importante do John Palmer de seu livro “How to brew“: A melhor maneira de ficar bom em relação a uma boa ou má moagem é VENDO PESSOALMENTE. Quando for comprar o malte na loja, peça para que moam parte ou tudo do seu malte para que você consiga entender como é essa moagem perfeita. Ver é melhor do que 1000 imagens.

Outro detalhe importante que Charlie Papazian nos chama a atenção em sue livro “The Complete Joy of homebrewing Fourth Edition” para minimizar chances de contaminação é moer o malte em local diferente do da brassagem ou até mesmo moer no mesmo lugar, porém no dia anterior. O motivo disto é que o pó do malte que fica em suspensão após a moagem, e quem já viu uma pessoalmente sabe que sobe bastante pó, está cheio de bactéria lactobacilos. No video ao final do post, eu faço a moagem na sacada do meu apartamento para dissipar o pó no ambiente externo, enquanto a brassagem é realizada na cozinha.

Existem alguns equipamentos que se recomenda comprar um básico para iniciantes e, depois de um tempo, se quiserem, podem comprar um melhor. Exemplo disso é a panela de brassagem. Muitos começam (e permanecem durante muitos anos) com a panela de alumínio, que é muito mais barata. A alternativa bem mais cara é a panela de Inox que, apesar das qualidades superiores, pouco interfere no processo em si. Já outros items, como o moedor de malte que vou falar no próximo parágrafo, definitivamente influenciam no processo e no tempo de produção, valendo a pena investir em alternativas melhores! Vou mostrar as duas alternativas mais comuns e dizer o porque sou a favor da segunda. Veja que por eu estar falando destes dois modos de moer, já estou eliminando outras alternativas que não devem ser utilizadas como liquidificador, moedor de café, moedor de carne, etc.

Moedor de discos

2016-01-07 14.44.16O princípio de funcionamento deste moedor é muito interessante. Um eixo, acionado manualmente por manivela ou automaticamente através de um motor, ao mesmo tempo que empurra o malte para a saída do moedor através de uma rosca sem fim, promove a rotação de um disco que, em atrito com outro disco, moe o malte que passa entre eles. Este é o tipo de moagem mais arcaica para grãos e também o mais barato. Na data de escrita deste artigo, um moedor deste tipo está custando entre R$100,00 e R$150,00. A foto ao lado é do meu primeiro moedor, que inclusive está a venda por R$50,00 já com os ganchos para adaptar a furadeira para não precisar utilizar a manivela. Quem tiver interesse, entre em contato. Vamos aos prós e contras:

Pros:

  • Custo baixo

Contras:

  • Moagem não homegênea.
  • Difícil calibrar para quebra perfeita dos grãos. Mesmo conseguindo algo muito próximo, o fato da moagem não ser homogênea faz com que apenas uma fração da moagem seja realmente boa. A outra parte ficará ou muito fina ou muito grossa.
  • Limpeza trabalhosa. É necessário desmontar o moedor inteiro para conseguir limpa-lo corretamente.
  • Tempo de processo elevado. Haja paciência. Muita paciência. E força nos braços também, caso não tenha uma furadeira ou um motor para auxilia-lo na moagem. Prepare-se para ficar em torno de 1 hora moendo malte se estiver no modo manual.

Conclusão: Apesar de ser a solução mais em conta, os contras são consideráveis tanto em importância quanto em quantidade. Não recomendo este tipo de solução nem para iniciantes nem para avançados.

Moedor de rolos

450xNO moedor de rolos é o sonho de qualquer cervejeiro. Ele consiste em 2 rolos recartilhados, um com força motriz (manivela, motor, etc) e outro com giro livre. O malte, que fica entre os dois rolos, promove o contato necessário para que a força motriz do rolo principal gire o segundo. Com um ajuste fino na ordem de milímetros de distância entre os rolos, é possível moer grãos de diferentes durezas, como o malte de trigo e o de cevada, apenas aproximando ou afastando os rolos. No geral estes moedores são caros por serem importados, mas agora estão surgindo algumas empresas e pessoas no mercado nacional, o que está viabilizando o custo para o pessoal que faz cerveja em casa. Quem trabalha com isso, afirma que a moagem dos rolos de inox é melhor do que a do aço galvanizado, mesmo que sem explicação aparente. Outro detalhe é que se a galvanização não for feita corretamente ou dentro dos cuidados necessários, ela se perde com o tempo por desgaste, primeiramente devido ao recartilhado, depois pelo atrito entre os rolos e o malte. Desta maneira, se for optar por este tipo de moedor, opte pelo de inox.

Pros:

  • Moagem homogênea. Isto é extremamente importante, já que uma vez calibrado para o tipo de malte que você quer, você garante que a moagem será perfeita por inteiro, garantindo consistência no seu processo. Para moagens não ideais, é difícil prever a eficiência da moagem, parâmetro essencial se você quer atingir consistência e repetibilidade das suas cervejas.
  • Facil calibragem. No geral, estes moedores que possuem a função de ajustes, basta rosquear as borboletas na lateral para que o rolo livre se aproxime do rolo motriz.
  • Limpeza fácil. Com um pincel é possível limpar todos os vãos entre os rolos e entre o rolo e as paredes.
  • Tempo de processo extremamente curto. Varia entre 9 a 13 vezes mais rápido que o moedor de discos. Torna a moagem do malte quase que um processo desconsiderável em termos de tempo. Eu levo em torno de 2 a 3 minutos para moer malte suficiente para levas de 20 litros.

Contras:

  • Custo. Porém, com  as soluções nacionais, estes valores estão caindo drasticamente. Os importados de 2 rolos costumam custar de R$600,00 a R$900,00 reais, dependendo se os rolos são de inox ou não. No vídeo abaixo, apresento meu moedor de inox que comprei no começo deste ano. Foi uma das melhores aquisições até o momento. Gostei tanto que propus para o dono da empresa fazer este vídeo de demonstração em troca de cupons de desconto para vocês!

Conclusão: Eu paguei R$385,00 no moedor de rolo de inox. Primeiro que se é de inox, é para sempre. Mesmo que o moedor venha a se deteriorar com o tempo, os rolos continuam intactos se você souber cuidar bem deles, ou seja, são reaproveitáveis. Segundo que a diferença entre os preços do de disco e o de rolos vale cada centavo só pelo tempo que você economizará ao longo de suas brassagens. Se para você tempo e qualidade do material não são problemas, pense na eficiência do seu processo. Mais hora menos hora, quem usa disco acaba migrando para rolos, principalmente se suas brassagens aumentarem para 50 litros ou mais. Sendo assim, economize dinheiro e não compre um de disco para depois comprar o de rolos. Vá direto à felicidade.

E este é o brinde de vocês! Tenho comigo 5 cupons de desconto de 5% para compra de moedores de rolo de inox Daddy Mill! Os 5 cervejeiros que quiserem comprar um moedor de rolos de inox e tiverem interesse neste, fale comigo que passo o código. Deixem contato nos comentários deste post!

Link para a compra no site: Daddy Mill

Agradeço mais uma vez pelos 1.000 views e espero que tenham gostado da surpresa!

Ah, e não se esqueçam de acessar e curtir nossa página no facebook: facebook.com/maltenocaneco

Abraços a todos e boas cervejas!

Anúncios

17 comentários sobre “Tudo sobre moagem de malte e brinde comemorativo 1000 views

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s