Introdução + Pensamento

Boa tarde a todos! É com grande alegria que inauguro o blog “MALTE NO CANECO”neste início de 2016! A idéia deste trabalho é compartilhar as experiências e aprendizados, conforme forem ocorrendo, nesta jornada em busca da cerveja perfeita! Como primeiro post, deixo um pensamento que tive nestes 15 dias de férias que tirei entre natal e começo de janeiro: Sempre fiz bateladas de cerveja de 20L (Ou 5 galões, nos EUA), pois é o padrão que o pessoal tem feito por aí, em vários lugares do mundo. Sendo assim, quando um iniciante compra os equipamentos para fazer sua primeira cerveja, é bem provável que o faça com o equipamento para este volume. Sempre imaginei que eu fosse querer subir a capacidade de produção para 50L e, posteriormente, 100L.

O que me veio à cabeça então nestas férias foi o pensamento do porquê que mesmo depois de alguns anos fazendo cerveja, eu havia colocado a mão na massa tão pouco? Ora, passei anos estudando sobre o assunto, lendo e montando equipamentos, porém, fazer a cerveja propriamente dita, nunca tinha tempo! Como então fazer para aumentar a frequência do hobby, se para fazer 20L preciso me programar com muita antecedência, montar os equipamentos, arrumar alguém para me ajudar e, ao fim, lavar um monte de panelas, mangueiras, colheres gigantes, potes etc?

Simples! Diminuindo o volume das bateladas! Foi aí que resolvi pesquisar o que o pessoal tem feito quando querem fazer digamos, 3, 5 ou 10L de cerveja por batelada. Gostei muito da idéia de fazer 5L. Por que? Pensem comigo:

  1. 5L de cerveja artesanal (considerando principalmente Ales) não se toma tão rápido quanto 5L de Brahma/Skol/Antartica/etc, já que são mais encorpadas e, no geral, mais alcóolicas. Assim sendo, é um volume razoável para consumo pessoal.
  2. A quantidade de equipamentos, seus pesos e dimensões são muito reduzidos, possibilitando fazer em qualquer lugar (inclusive no fogão comum na cozinha da sua casa ao invés destas bocas industriais). As panelas são menores, facilitando a limpeza, não precisa de ajuda de uma segunda pessoa para manipular uma panela pesada e quente etc.
  3. Se quero inovar uma receita, acrescentando, por exemplo, uma fruta, tenho muito mais coragem de estragar e jogar fora (ou dentro da barriga) 5L de cerveja do que 20L! Isso possibilita inovar e arriscar muito mais nas receitas, já que elas ocorrerão muito mais frequentes e terão um valor financeiro absoluto menor por batelada.
  4. Poder aplicar um conceito que gostei muito que facilita a vida e melhora o processo chamado B.I.A.B. (“Brew In A Bag”).

Estou montando meu equipamento para tal e já estou com os ingredientes comprados pra minha primeira B.I.A.B. de 5 litros! Assim que eu tiver os primeiros resultados, posto aqui.

Por hora, deixo aqui dois links interessantes de que gostei para colocar este plano em prática:

Exemplo do processo, do blog do Vergilio Estou copiando algumas idéias deste blog para o meu equipamento.
Blog com ótimas argumentações em relação ao BIAB, já que entendi que o tema é meio controverso (Blog em inglês), porém não deve ser difícil achar boas referencias em português.

É isso aí, pessoal! Qualquer dúvida, crítica ou sugestões, por favor, deixem um comentário logo abaixo! Como diz Charlie Papazian, um dos autores referência no mundo cervejeiro “Don’t worry, have a homebrew

Não se esqueçam de curtir a nossa página no facebook: facebook.com/maltenocaneco

Anúncios

6 comentários sobre “Introdução + Pensamento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s